fbpx


Novo sentido para a vida: aprenda como recomeçar após o luto

Que a morte é um processo natural da condição humana todos nós já sabemos.

Porém, apesar de ser um processo natural é também doloroso e poucos sabem realmente como encará-la de frente.

Neste caso, a dor da perda nos faz refletir sobre a vida e a forma que estamos vivendo.

E a pergunta que, consequentemente, acaba surgindo é: Afinal, como dar um novo significado ao nosso papel diante da vida quando perdemos alguém muito amado? É possível ressignificar a dor da perda?

Para saber a resposta para esta pergunta, basta acompanhar a leitura deste post até o final.

Vamos lá?

Para facilitar a sua leitura, o artigo foi dividido da seguinte forma:

  • O que é o Luto?
  • O que é a elaboração do luto normal?
  • O que é o luto patológico?
  • O luto é pra sempre? É possível ressignificar a vida diante/após a morte?
  • Contribuições do Psicodrama Para a Ressignificação do Luto
  • Como recomeçar depois do luto

O que é o Luto?

Para que possamos encontrar formas de ressignificar a perda e o luto devemos inicialmente entender mais sobre esse processo.

E para isso, precisamos definir bem o que significa o Luto.

Bom, a palavra Luto vem do latim “lucto” e significa um sentimento profundo de tristeza e pesar pela morte de alguém.

Neste caso, o luto está ligado aos processos que envolvem perdas em diversos contextos e podem ser muito mais abrangentes, porém vamos focar na definição geral da palavra relacionada à morte.

A nossa cultura, infelizmente, não nos preparou para vivenciarmos os processos de perda, mesmo sabendo que mais cedo ou mais tarde estaremos diante desta situação.

O luto, morte e perda é assunto que ainda pouco se fala.

O certo é que ao nascer uma vida a certeza que se tem, ou pelo menos, deveríamos ter é que esta se findará.

Porém, mesmo que muitos saibam deste fato, geralmente não buscam informações que os ajudem a entender o processo de luto, para saberem lidar de forma adequada com esse momento de dor, sem grandes prejuízos.

Na verdade, na grande maioria das vezes quando pensamos na vida o que vem à mente é sempre as alegrias, as conquistas, os projetos, estudos, trabalhos, vitórias, felicidade, etc.

O que é ótimo, porém esquecemos que nem tudo são flores, aliás que as flores também podem ter espinhos e estes podem machucar, deixar marcas de feridas cujas cicatrizes sempre vão estar ali.

E talvez seja por isso que tenhamos tanta dificuldade quando em fim a dor da perda vem nos afligir nos diferentes tipos e processo de lutos que venhamos passar.

Por exemplo, temos o processo de luto considerado normal, mas temos também o patológico.

Conheça agora um pouco mais sobre estes dois conceitos de luto que temos atualmente:

O que é a elaboração do luto normal?

Como falamos anteriormente, chamamos de elaboração do luto ao trabalho psicológico mais ou menos involuntário que a pessoa tem de fazer consigo mesma para retornar seus sentimentos e atividades aos padrões anteriores à perda que motivou o luto.

Neste caso, desde os escritos da psiquiatra Elizabeth Kubler-Ross, tornou-se costume reconhecer cinco fases mais ou menos constantes no trabalho normal de elaboração do luto.

E mesmo que essa forma de se pensar desconsidere as peculiaridades individuais de cada caso, serve como orientação geral. Elas são:

Negação

Nesta fase nada faz sentido. Ficamos entorpecidos e entramos num estado de choque.

Passamos a acreditar que nunca mais veremos aquela pessoa novamente. Não parece real. Por isso, não queremos acreditar. Negamos.

Neste momento a negação e o choque ajudam a lidar com o luto e tornam a sobrevivência possível.

Isso porque criamos uma barreira psíquica para que possamos lidar o tanto quanto conseguimos.

Apesar de lidar com o luto nesse estágio pode ser complicado, aceitar a realidade da perda é o primeiro passo para uma superação e ressignificação.

Raiva

Neste momento, a indignação e a raiva da perda de um ente querido podem ser direcionadas para qualquer pessoa.

Na verdade, a raiva é a nossa dor interna.

Isso porque nos sentimos abandonados por aquele que partiu.

A raiva acaba aparecendo como um contraponto da negação.

Neste caso, saímos do “nulo” da perda para um sentimento – mesmo que agressivo.

E sim, sentir é considerado fundamental para processar o acontecido.

A raiva acaba dando uma estrutura emocional temporária ao vazio existencial deixado pela morte.

Negociação

A fase de negociação geralmente é acompanhada de culpa.

Isso porque começamos a pensar o que poderíamos ter feito de diferente para mudar o ocorrido.

O nosso objetivo acaba sendo negociar possíveis mudanças e fazemos promessas – muitas vezes ligados ao plano religioso.

Na maioria das vezes, a etapa de negociação está ligada diretamente com a negação, pois, por não aceitarmos bem essa perda, começamos a imaginar cenários hipotéticos.

Depressão

Na etapa de depressão somos assolados pela tristeza.

Isso porque o reconhecimento da perda traz profundas consequências.

Passamos a ficamos mais reflexivos e solitários e a melancolia toma conta dos dias e nos sentimos desconectados das pessoas.

Porém, aqui é importante destacar que essa depressão por conta do luto não é a mesma da diagnosticada clinicamente.

Até porque sentir-se assim após a morte de um ente querido é normal e é preciso certo tempo para processar melhor os sentimentos.

Aceitação

Muitas pessoas entendem a etapa da aceitação com a noção de “estar bem” com o que aconteceu.

Porém, este estágio trata de aceitar a realidade de que aquele ente querido está fisicamente ausente.

Neste caso, compreender que essa nova realidade é a realidade permanente é difícil, porém essencial nesse processo.

E como você pode perceber, fica claro como as fases do luto estão conectadas e que não são necessariamente lineares.

E claro, luto eterno não existe. Podemos sim ficar tristes quando lembramos de uma pessoa próxima que partiu há muito tempo, isso é normal.

O luto acaba servindo para reorganizarmos nossas emoções e lidar com o fato de que ela não voltará – e, tudo bem, isso faz parte da vida.

Porém, infelizmente, temos alguns tipos de luto que deixam marcas maiores e são mais complicados, como é o caso do luto patológico.

Saiba mais sobre este tipo de luto a partir de agora:

O que é o luto patológico?

Entre as particularidades de cada caso que citamos anteriormente, há uma série de fatores envolvidos que podem complicar o luto e estendê-lo além do razoável, tornando-o patológico.

Neste caso, isso acaba sendo mais comum quando a pessoa se culpa pela morte da outra, seja essa culpa real ou não.

Neste caso, toda morte acaba intensificando nos que ficam, sentimentos potencialmente patológicos, que podem encontrar reforços em fatores internos ou externos.

E podemos dizer que a culpa é o principal dos sentimentos.

Isso porque as perdas geralmente geram sentimentos de arrependimento, desejo de se desculpar e de autopunição reparadora.

Quando levadas a extremos ou se quando encontram um terreno interno propício, essas reações podem atingir uma intensidade e persistência irrazoáveis.

Neste caso, a consequência disso costuma ser uma interminável melancolia.

Estas fases do luto são obrigatórias?

Não! Porém, apesar dessa sequência dos estágios de luto não ser sempre obrigatória, é comum que as pessoas que passam por esse processo apresentem pelo menos dois desses estágios.

Por exemplo, temos as pessoas que ficam estagnadas por mais tempo ou até definitivamente em uma dessas fases.

Neste caso, o cumprimento desses papeis acaba exigindo a vivência de sentimentos e pensamentos próprios a cada estágio.

Não devemos, pois, incentivar as pessoas a saltar fases, estimulando-as a “esquecer”, pular etapas ou adotar outras atitudes de negação.

Devemos lembrar que elaborar o luto é um processo de transformação da relação com quem morreu; ela não está mais fisicamente presente, mas o enlutado continua tendo com ela uma relação imaginária, mas real, diferente da que existia anteriormente.

O luto é pra sempre? É possível ressignificar a vida diante/após a morte de alguém querido?

A pergunta pode assustar, assim como a própria morte, mas entender o luto também é uma das maneiras de tornar a dor menos intensa.

Muitos especialistas hoje concordam que, o luto não é uma fase que tem início, meio e fim.

Trata-se de um processo em que a pessoa que perdeu alguém ou alguma coisa vai vivenciar para o resto da vida.

Neste caso, o que diferencia é a intensidade e mesmo a quantidade de vezes com que a pessoa vai se lembrando desta perda.

Mas não é uma experiência que acaba. A pessoa, na verdade, aprende a conviver com essa perda e, claro, ela pode ser feliz novamente.

Embora cada dor seja única, quando a pessoa vivencia o luto ela também entende melhor como é para o outro.

As pessoas podem encontrar e seguir diversas formas para lidar com isso, desde que faça o bem para ela também.

Neste caso, para passar pelo luto de uma forma menos dolorosa, é preciso vivenciar a sua dor da forma que você acredita que tem que viver.

E claro, se preocupar menos com o que as pessoas vão achar e ser mais fiel ao seu próprio sentimento.

Recomendo que veja o Vídeo do Marco Antonio “Como ressignificar o luto”: https://www.youtube.com/watch?v=frXNTVy6Bnk

O Marco Antonio Scuissato já morou em vários lugares do mundo. Foi quando chegou o momento de voltar e cuidar de quem ele mais amava, sua mãe.

Ele realmente é um homem de muita coragem! E precisou se fortalecer para superar uma perda muito sentida. Assista e se emocione.

Como recomeçar depois do luto

E aí? O que achou do artigo?

Neste artigo você entendeu se é possível ressignificar o luto e como isso deve ser feito.

E se você está passando agora por um momento de luto, saiba que você tem aqui uma nova oportunidade de aprender com essa dor.

Lembre-se que a superação do luto se inicia a partir do momento que o enlutado passa a construir um novo tipo de vínculo com a pessoa morta, fazendo com que a relação seja preservada em outro patamar, ou seja, quando o indivíduo falecido é internalizado, continuando, assim, a viver no mundo interno do enlutado.

O sofrimento com o tempo vai diminuir, e o enlutado vai conseguir resgatar os laços sociais, retomando vínculos antigos e construindo novas relações.

E sim, podem e provavelmente irão ocorrer recaídas, principalmente em datas que lembrem o indivíduo falecido, como aniversários de nascimento ou de morte.

Neste caso, o apoio e a compreensão, tanto dos amigos quanto dos familiares, ajudarão a fazer do processo de enlutamento algo mais suportável.

Depois de um tempo, o enlutado volta a sua vida normal e o luto que ele teve que passar a ter um significado em sua vida e deixa de trazer apenas tristezas.

Dúvidas, críticas ou elogios deixem nos comentários.

Até a próxima!

Fontes

https://br.mundopsicologos.com/artigos/ressignificar-a-vida-diante-da-morte
Ressignificação do luto ajuda a enfrentar a perda
http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-53932017000100006
https://meuartigo.brasilescola.uol.com.br/psicologia/luto-como-processo-natural-condicao-humana.htm
https://www.campograndenews.com.br/lado-b/faz-bem/aceitar-a-morte-tambem-e-aprender-a-viver-bem-diz-especialista-em-luto
Luto: processo de ressignificação
https://oesteemfoco.com.br/noticia/2564/luto-
https://br.mundopsicologos.com/artigos/ressignificar-a-vida-diante-da-morte
Ressignificação do luto ajuda a enfrentar a perda
http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-53932017000100006
https://qafinds.com/?q=a+morte+e+o+morrer+pdf+freud&spid=21ekj2b722k99
http://radiohistoria.nositio.eu/noticias/5-fases-do-luto-covid-19-ocidente.html
https://blog.psicologiaviva.com.br/morte-e-luto/
https://www.abc.med.br/p/1349668/luto+normal+e+patologico.htm
Fases do luto e o processo de aceitação da perda
O que é psicodrama: funcionamento e aplicações práticas
Qual é o significado de Psicodrama, Psicodramatista e Psicodramático?
https://www.psicodrama.org.br/post/psicodramaeluto
https://www.passeidireto.com/arquivo/55876829/luto-e-psicodrama/24
https://blog.psicologiaviva.com.br/luto-o-que-precisamos-saber/
https://www.hojeemdia.com.br/horizontes/a-vida-al%C3%A9m-do-luto-como-a-solidariedade-pode-amenizar-a-dor-de-perder-algu%C3%A9m-querido-1.753451





Posts relacionados



 

Quanto custa um funeral? Como garantir uma última despedida digna? Leia e saiba mais.

Você já pensou como sua família ficaria caso acontecesse um luto hoje? Preparamos um artigo completo, onde explicamos com todo o cuidado e respeito, quais são os serviços que permeiam o luto e qual o impacto econômico e burocrático que isso pode acarretar para a família.

Leia mais
 

Comunicado aos familiares enlutados nesse período de pandemia de Coronavírus

O momento é de incertezas e nós da Paxdomini, cuidadosamente orientamos algumas práticas para os velórios nesta pandemia por Coronavírus.

Leia mais
 

Cada um tem o seu tempo de encarar a perda e a dor do luto

A fase da negação é comum entre as pessoas que passam por um luto recente. Trata-se de um mecanismo de defesa, mas requer ajuda e atenção da família. Leia.

Leia mais

Conheça as emocionantes histórias dos nossos associados

< >

Matriz: Rua P-16 esq. c/ P-17, n° 593, Setor dos Funcionários - Goiânia.